FVM Learning

Nosso maior compromisso é compartilhar conhecimentos, somos simples, mas não simplórios, astuto, mas não pacóvio, nos posicionamos empenhados em mostrar o caminho para desmistificação do opróbrio em legítima defesa do conhecimento compartilhado. Eng. Jemerson Marques!
Mostrando postagens com marcador CPD - TI. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador CPD - TI. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 11 de julho de 2022

Prompt de Comando - CMD: O que é? como Acessar? 12 Comandos mais Usados!



O Prompt de Comando ou Processador de Comando do Windows, é conhecido como Shell de Comando, popularmente conhecido como Prompt CMD, sendo CMD uma abreviação da palavra Commnad, que em tradução livre seria Comando, por isso Prompt de Comando.

O Prompt de Comando é um programa do Windows que emula e interpreta as linhas de comandos do Sistema Operacional Windows.

É semelhante aos sistemas DOS e Windows 9x chamado “Prompt do MS-DOS”. É análogo ao Unix Shells usado em sistemas semelhantes. O Prompt de Comando é um aplicativo nativo do sistema operacional Windows e oferece ao usuário a opção de realizar operações usando comandos.

O Prompt de Comando usa a interface de linha de comando para interagir com o usuário. No sistema operacional Windows, essa interface de Prompt de Comando é implementada por meio do console Win32

Como Acessar o CMD

Existem diversas maneiras de abrir o CMD, desde os métodos tradicionais, até mesmo os mais avançados. Listamos abaixo as maneiras de como abri o Prompt de Comando.

  • Menu Iniciar —  Atalho
    • Clique no Menu Iniciar
    • Na lista de aplicativos desça até encontrar a pasta Sistema do Windows.
    • Clique na pasta, e depois em Prompt de Comando.
      OBS
      : Para executar o programa como Administrador, clique com botão direito do mouse, e escolha a opção “Executar como Administrador”.

  • Menu Iniciar — Digitando CMD
    • Clique no Menu Iniciar
    • Digite a palavra CMD, irá aparecer o Prompt de Comando.
    • Escolha abaixo do nome Prompt de Comando, as opções, Abrir Normalmente ou executar como Administrador.

  • Aplicativo Executar
    • Pressione as teclas Windows e a tecla R em simultâneo.
    • Ao abri a caixa de diálogo, digite CMD, e clique em OK, ou pressione a tecla Enter.

  • Explorador de Arquivos
    • Abra o Windows Explorer — Pressionando o menu iniciar e clicando no Explorador de arquivos, ou pressionando a tecla Windows e a letra E em simultâneo.
    • Através da lista de pastas laterais, acesse a pasta C:
    • Clique na Pasta Windows
    • Clique na Pasta System32.
    • Procuro o Arquivo CMD.exe.
    • Execute clicando nele, ou para executar como administrador, clique com o botão direito do mouse, e execute como administrador.

Comandos mais Usados!

Listamos abaixo os 12 comandos básicos mais usados na CMD do Windows!

  1. Comando: CD — Change Directory — Significa mudança de diretório. Este comando é usado para alterar o diretório. Quando o usuário deseja entrar ou sair de uma pasta de diretório para outro.
    1. Exemplo: Se colocar o comando: CD [Nome da Pasta] "sem os cochetes", ele entra na pasta, se escrever o comando CD[..]  "sem os cochetes", ele sai da pasta atual.

  2. Comando: DIR – Directory - O comando Dir é usado para obter a lista de todos os diretórios na unidade selecionada. Cada diretório criado no sistema pode ser listado usando este comando.

  3. Comando: DATE — Data — O comando Date é usado para alterar a data atual do sistema. Sendo necessário ter aberto o CMD como Administrador para executar essa tarefa.

  4. Comando: TIME — Tempo — O comando Time é usado para alterar a hora atual do sistema. Sendo necessário abrir o CMD como Administrador para executar essa tarefa.

  5. Comando: HOSTNAME – O comando hostname pode ser usado para exibir o nome do host na tela do prompt de comando, ou seja o nome do seu computador.

  6. Comando: PAUSE – Pausar - O comando de pause é usado para pausar a execução do arquivo em lote que foi executado. Seu objetivo principal é pausar as instruções, quando determinado procedimento necessite ser interrompido.

  7. Comando: Echo – O comando echo é usado para mostrar o texto definido na tela do CMD, muito parecido com o print da linguagem C

  8. Comando: EXITSaír - O comando exit é usado para sair do prompt de comando. Esse comando agiliza a saída e fechamento da janela, já que você não precise pegar o mouse e apontar para o "X" e fechar a janela, o comando exit, encerra o CMD e fecha a janela.

  9. Comando: Shutdown - Desligar – O comando shutdown é usado para desligar o sistema. Vários atributos podem ser usados ​​com o desligamento para definir como o usuário deseja que o sistema seja desligado.

  10. Comando: TITLETítulo - O comando títle é usado para mudar o nome do título da janela do CMD. Você pode utilizar esse comando escrevendo title [e o nome que você quer] "sem os cochetes". Usando este comando, pode-se definir o nome personalizado a janela do CMD.

  11. Comando: DEL ou ERASEApagar - Os comandos del e erase são usados para excluir os arquivos armazenados no sistema. 

  12. Comando CHKDSK – O comando chkdsk é usado para verificar detalhes de uma unidade ou volume. Sendo necessário ter aberto o CMD como Administrador para executar essa tarefa.

Conclusão

O CMD é uma  ótima ferramenta de trabalho para quem o conhece, através dessa ferramente podemos corrigir muitos erros do windows, principalmente quando não conseguimos inicializar o windows.

Muitas tarefas críticas no windows, são reparadas utilizando o prompt de comando. E mostramos uma lista dos comandos básicos para dar gosto, e entendermos o funcionamento básico do CMD, e aprendê-los facilitará  o seu trabalho com o prompt de comando.

O trabalho é grande, escrever, pesquisar, buscar conhecimento para passar da melhor forma possível, tudo isso dá muito trabalho, e nada cobramos por isso!

Então nos ajude a divulgar nosso trabalho, compartilha nas redes sociais, Facebook, Instagram, nos grupos de WhatsApp, se inscrevam! Uma simples atitude sua, faz com que cresçamos juntos e melhoremos o nosso trabalho!

E por hoje é só, espero que tenham gostado!

Qualquer dúvida, digita nos comentários que logos estaremos respondendo.
Se inscreva no nosso Blog! Clique aqui - FVM Learning!

Forte abraço.

Deus vos Abençoe
Shalom!

quarta-feira, 6 de julho de 2022

PoE (Power Over Ethernet): O que é, Tipos, Padrões, Potência e Benefícios!


O que é PoE?

PoE (Power over Ethernet) é uma tecnologia que permite trafegar dados e, em simultâneo, alimentar dispositivos PD (Powered Devices), por um cabo Ethernet de par trançado, ou seja, utilizando apenas um Cabo de Rede, para  transmitir dados, e alimentar periféricos PD.

Antes de continuarmos o assunto, é importante entender às duas categorias de nomenclatura empregadas nos dispositivos de recebimento e os dispositivos de fornecimento de alimentação em um sistema PoE
  • Dispositivos Alimentado (PD) “Powered Devices” - É qualquer equipamento de rede alimentado por PoE, são referidos como dispositivos alimentado ou PD

  • Equipamento de fornecimento de energia (PSE) “Power Sourcing Equipment”, - São dispositivos que fornecem energia e dados pelo cabo Ethernet para um dispositivo PD conectado. Os dispositivos PSE são classificados como “midspan” ou “endspan”.
    • MIDSPAN - Categoria de dispositivo PoE injetor. Este dispositivo é utilizado entre o Switch de rede não PoE e os dispositivos PDs
    • ENDSPAN  - Categoria de Dispositivos PoE com alimentação própria, PSE, ele pode alimentar dispositivos PDs diretamente conectados, sem a necessidade de outros periféricos.

Tipos de PoE

Existem três classes padronizadas na utilização de tecnologia PoE, mesmo que o propósito entre às três tecnologias sejam as mesmas, possibilitar o fornecimento de sinal de dados e energia para os alimentar os periféricos.   
  • PoE Ativo - Dispositivo capaz de gerenciar o fornecimento de energia seguindo os protocolos IEEE 802.3af ou IEEE 802.3at. Caso não haja outro dispositivo que “converse” com o protocolo, o dispositivo não ativará a tensão de alimentação.

  • PoE Passivo - Dispositivos não gerenciáveis, que fornece alimentação contínua independente se ha algum dispositivo conectado. 
    Só utilize PoE passivo, se tiver certeza do que está fazendo, já que existe risco de danificar equipamento DS conectado. 

  • PoE Reverso - Dispositivo que não tem alimentação própria, ele recebe a tensão de alimentação de um PSE, ou seja, funciona inversamente a um Switch PoE passivo ou ativo. 

Padrões PoE

Atualmente existem três categorias de padrão PoE
  • IEEE 802.3af - Conhecido como PoE Padrão, com tensão de alimentação de 44 à 57V, com corrente entre 10 à 350mA. Com potência máxima de saída da porta de 15,4W, e a potência mínima garantida disponível no PD é de 12,95 Watts por porta. Utilizados em telefones VoIP, sensores, sinalizadores de LED, WiFi, etc.

  • IEEE 802.3at - Conhecido como PoE+, é compatível com versão PoE Padrão, e sua tensão de alimentação varia entre 50V à 57V, com corrente entre 10 à 600mA. Com potência máxima de  30W e a potência mínima garantida disponível no PD é de 25W em cada porta. Utilizado em dispositivos que exigem mais energia, como telas LCD, Sensores BiométricosCâmeras com Pan/Tilt/Zoom, Sistema de Alarmes, etc.

  • IEEE 802.3bt - Conhecido como PoE++. Esse padrão se subdivide em duas sub-categorias de padrões: Tipo 3 e o Tipo 4. Nesses modos, os PSEs identificarão os PDs e definirão a potência máxima conforme a potência exigida pelo PD, tornando um sistema de fornecimento de energia mais eficiente.
    • Tipo 3 - Conhecido como PoE++, fornece até 60 W em cada porta PoE, sendo a potência mínima garantida de 51 W em cada porta PD.
    • Tipo 4 - Conhecido como PoE de potência, fornece até 100W em cada porta PoE, sendo a potência mínima garantida de 71W em cada porta PD

Potência do PoE

Esses padrões PoE definem a potência máxima que o PSE pode fornecer, e a potência mínima que o PD pode receber. 

Devido às perdas de energia que o cabo Ethernet tem durante o tráfego, a potência fornecida e a potência recebida sempre será diferente. Na Tabela 1 abaixo, você pode acompanhar as potências de todos padrões PoE compatíveis com IEEE

PadrãoNomenclatura  Potência FornecidaAno
Lançamento
Potência
Recebida
IEEE 802.3afPoE15,40 W 
dispositivo (PSE)
2003Potência de 12,95 W disponível para dispositivo (PD)
IEEE 802.3atPoE+ 30 W
dispositivo (PSE)
2009Potência de 25,50 W disponível para dispositivo (PD)
IEEE 802.3bt Tipo 34PPoE, Ultra PoE, PoE++60 W
dispositivo (PSE)
2018Potência de 51 W disponível para dispositivo (PD)
IEEE 802.3bt Tipo 4 4PPoE, Ultra PoE, PoE++100 W
dispositivo (PSE)
2018Potência de 71 W disponível para dispositivo (PD)


Benefícios do PoE?

A tecnologia PoE oferece diversas vantagens em um sistema, enumeraremos os mais conhecidos e reconhecidos benefícios para aplicação com essa tecnologia.
  • Facilidades na Instalação - O PoE reduz o tempo de instalação, já que não necessita de eletricistas para passagem de cabo elétrico, e nem instalação de pontos de TUG, tomada de uso geral, reduzindo o tempo de instalação.

  • Diminuição dos Custos do Projeto - Elimina a necessidade de fontes de alimentação AC/DC, cabeamento e tomadas para fornecer energia aos equipamentos PDs, tornando o projeto de infraestrutura reduzido.

  • Segurança - Os dispositivos PoE são projetados para proteger inteligentemente os equipamentos PDs de sobrecarga, instalação errada, e baixa potência no fornecimento. 

  • Estabilidade - Os dispositivos PoE são compostos por uma fonte de alimentação central, que quando ligado a um UPS (Uninterruptible power supply“Fonte de alimentação ininterrupta”, ou como é bastante conhecido, nosso querido No-break, permite operações ininterruptas, mesmo durante falta de energia.

O trabalho é grande, escrever, pesquisar, buscar conhecimento para passar da melhor forma possível, tudo isso dá muito trabalho, e nada cobramos por isso!

Então nos ajude a divulgar nosso trabalho, compartilha nas redes sociais, Facebook, Instagram, nos grupos de WhatsApp, se inscrevam! Uma simples atitude sua, faz com que cresçamos juntos e melhoremos o nosso trabalho!

E por hoje é só, espero que tenham gostado!

Qualquer dúvida, digita nos comentários que logos estaremos respondendo.
Se inscreva no nosso Blog! Clique aqui - FVM Learning!

Forte abraço.

Deus vos Abençoe
Shalom!

segunda-feira, 18 de abril de 2022

Pinagem - Pinout Fonte ATX - Especificações e Características!

Fig. 1 - Pinagem - Pinout Fonte ATX - Especificações e Características!

Especificações

As fontes de alimentação ATX, foram desenvolvidas para trabalharem principalmente com Computadores. Seu funcionamento consiste em, converter uma corrente alternada AC vinda da rede de fornecimento elétrico, em várias tensões de corrente contínua CC.

Para você que quer saber dos assuntos mais detalhados do funcionamento de uma fonte ATX, fizemos um Post que explica com fotos ilustrativas reais da placa da fonte e sua posição do diagrama esquemático, explicado o funcionamento em etapas de uma fonte ATX, para mais, clique no link abaixo:

Características

As principais tensões de fornecimento da fonte de alimentação ATX são: +3,3V, +5V, e +12V. E as tensões pontuais de baixa corrente, -12V e +5VSB (standby).  Existia ainda uma saída de -5V que era para alimentar os obsoletos barramentos ISA

Existem diversos modelos de fontes ATX no mercado, e cada uma veem com mais periféricos, separamos aqui os mais comuns entre todas elas.

Pinagem - Pinout Fonte ATX

Conector 20 ATX

O primeiro conector que mostraremos, é o maior entre todos, ele é conhecido como; Conector 20 ATX, o conector contém 20 pinos, como mostrado na Figura 2 abaixo. 
Fig. 2 - Conector 20 ATX -  Conector de 20 Pinos

Essa categoria de conector já são considerados obsoletos, já que a maioria das placas mães, utilizam o Conector 20 + 4 ATX.

Conector 24 ATX 

O conector 24 ATX foi a evolução do Conector 20 ATX, ele conta com 24 pinos, disposto em um único conector. Alguns fabricantes pensando em atender as placas mais antigas, dividem em dois  conectores um de 20 pinos mais um de 4 pinos, daí que sai a nomenclatura 20 + 4 ATX, como mostradona Figura 3 abaixo.
Fig. 3 - Conector 24 ATX -  Conector de 24 Pinos

Essa categoria de conector, além de levar alimentação para a placa, ele também é responsável por levar alguns pinos com funções especiais, que abordaremos logo mais abaixo.

Conector EPS12V

Para essa categoria de conector, existem três versões:
  • Conector 4 EPS12V — Esses conectores surgiram nas versões das fontes ATX, a partir da versão 1.3, distribuídas com conectores 4 EPS12V, como mostrado na Figura 4 abaixo.
Fig. 4 - Conector 4 EPS12V -  Conector de 4 Pinos

  • Conector 6 EPS12V - Esses  conectores surgiram a partir das versões 2.0 das fontes ATX, distribuídas com conectores 4 + 2 EPS12V, como mostrado na Figura 5 abaixo. 

    As fontes mais modernas utilizam dois conectores conjugados, ou seja, um de 4 pinos e outro de 2 pinos, encaixáveis, para facilitar na compatibilidade das versões mais antigas, e outros já veem com o conector de 6 pinos.
Fig. 5 - Conector 6 EPS12V -  Conector de 6 Pinos

  • Conector 8 EPS12V - Esses  conectores surgiram a partir das versões 2.0 das fontes ATX,  distribuídas com conectores 4 + 4 EPS12V, como mostrado na Figura 6 abaixo.
     
    As fontes mais modernas utilizam dois conectores conjugados, ou seja; dois conectores de 4 pinos que são encaixáveis, para facilitar na compatibilidade das versões mais antigas, e outros já veem com o conector de 8 pinos.
Fig. 6 - Conector 8 EPS12V -  Conector de 8 Pinos

Conector Molex Peripheral

Essa categoria de conector, é um dos mais tradicionais, ainda muito presente nos PCs. Essa categoria de conectores são utilizados para alimentar diversas categorias de equipamentos, tais como: 

Disco Rígido, Unidades de DVD/CDs, Placas Auxiliares, Algumas placas de vídeo, e em alguns casos, Placa Mãe de equipamentos industriais que utilizam essa categoria de fonte. O conector Molex é mostrado na Figura 7 abaixo.
Fig. 7 - Conector Molex Peripheral -  Conector de 4 Pinos

Conector Floppy Drive

Os Conectores Floppy Drive, são conectores obsoletos, não utilizados atualmente, e por obviedade tendem a desaparecer, a maioria das fontes, já não trazem mais essa categoria de conector, a imagem ilustrativa do conector é mostrado na Figura 8 abaixo.
Fig. 8 - Conector Floppy Driver -  Conector de 4 Pinos

Ele era utilizado em dispositivos de leitura dos antigos, disquetes, que eram alimentados por essa categoria de conector, que hoje não são mais visíveis em nenhum computador.
 

Conector peripheral SATA Power

Este conector é considerado a prova de erros, já que tem um orifício que faz com que o conector não seja ligado erradamente evitando qualquer erro na conexão, ele é  responsável pela alimentação dos periféricos, como: Disco Rígido, Drive CD/DVD como alimentação SATA, e em alguns casos, placas de vídeos que possuem alimentação SATA. A imagem ilustrativa e mostrada na Figura 9 abaixo.

Fig. 9 - Conector peripheral SATA Power - 15 Pinos

ATX Auxiliar Power Cable

Esse conector é utilizado na alimentação auxiliar de alguns periféricos, esses periféricos são equipamentos que precisam serem alimentados com as tensões de +3.3V e +5V

Fig. 10 - Conector Auxiliar ATX - 6 Pinos.

Funções Especiais Conector 20 e 24 ATX

Como já mencionara no início do Post, existem 4 fios dos 20 ou 24 fios, com funções especiais nas fontes ATX, são eles:

  • Pino 14 para o conector 20 ATX, ou o pino 16 para o conector 24 ATX - Esse é identificado por um fio padrão da cor Verde. Sua sigla é PS_ON, que significa “Power Supply On”, esse fio é quem recebe o comando da placa-mãe, que quando pressionamos o botão de ligar o PC, a placa mãe aterra esse PS_ON ao Ground, ou GND, ligando toda fonte de alimentação.

    Digo toda fonte, porque as fontes ATX, são dotadas de duas fontes independentes, a fonte stand alone, que é uma pequena fonte que fornece uma tensão de +5V com no máximo 2A. 

    Ela fica ligada logo que você conecta a fonte ATX na energia, ela serve para alimentar os periféricos de standby da fonte e da placa mãe, e a fonte de potência, que liga todas as linhas de alimentação.

    Caso queira ligar a fonte ATX, é só conectar o Fio Verde PS_ON, ao fio Preto, GND ou terra que a fonte irá ser acionada enquanto o fio verde estiver aterrado.

  • Pino 8 - Esse pino é identificado por um fio Cinza. Sua sigla é PG, que significa “Power Good” esse fio é quem indica que a fonte se estabilizou e está pronta para uso.

    O seu funcionamento é simples, quando acionamos a fonte, ele se mantém em baixa por um tempo de cerca de (100-500 ms).

  • Pino 9 - Esse é identificado por um fio padrão da cor Roxa. Sua sigla é +5VSB, que significa “+ 5V Standby”. 

    Esse fio é quem alimenta os circuitos de standby, como, por exemplo, o circuito Power On, enquanto a fonte principal que fornece as tensões de +3.3V, +5V, +12V, -12V, de potência, esta desligada.

Pessoal, o trabalho é grande, escrever, montar, testar, elaborar a PCI, armazenar para baixar, tudo isso dá muito trabalho, e não cobramos nada por isso!

Então nos ajude a divulgar nosso trabalho, compartilha nas redes sociais, Facebook, Instagram, nos grupos de WhatsAppuma simples atitude sua, faz com que cresçamos juntos e melhoremos o nosso trabalho!

E por hoje é só, espero que tenham gostado!

Quaisquer dúvidas, sugestões, correções, por favor, deixe nos comentários abaixo, que em breve estaremos respondendo.

Se inscreva no nosso BlogClique Aqui FVM Learning!

Forte abraço.

Deus vos Abençoe
Shalom!

terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

USB Velocidades - USB 1.0, USB 2.0, USB 3.0 e USB 4.0 - Quais suas Diferenças!

USB Velocidades - USB 1.0, USB 2.0, USB 3.0 e USB 4.0 - Quais suas Diferenças!

O USB (Universal Serial Bus) é uma interface plug-and-play de barramento serial entre os dispositivos e o controlador host como; computador, servidor, dispositivo host, hub, etc.

Para os padrões USB 1.0 e USB 2.0 - São utilizados 4 fios blindados em um único cabo: dois para alimentação (+5v e GND) e dois para sinais de dados diferenciais (identificados como D+ e D- na pinagem).

Nos padrões USB3.0 a USB 3.2 - São utilizados as mesmas conexões de 4 fios blindados, para transferência de velocidade básica, e um outro conjunto de 5 pinos para alta transferências, resultando em 9 pinos nos conectores USB 3.0 por diante.

Nos padrões USB 4.0 -  O novo padrão, utiliza a conexão do USB Tipo C por padrão, ele também tem a vantagem de entregar ultra velocidade e potência energética de até 100W, ou seja até 20V com 5A.

Você pode se interessar por:

Especificações da interface USB

Existem versões USB de interface clássica Tipo A Tipo B mais populares atualmente no mercado mundo à fora, e a nova versão USB 4.0 que difere das outras pelo conector do Tipo C

A lista abaixo mostra o padrão de velocidade desde a USB 1.0 até a USB 4.0:

  • USB 1.0 - Baixa velocidade (1,5 Mbit por segundo) que é usado principalmente para dispositivos de entrada humana (HID), como teclados, mouses, joysticks e, muitas vezes, os botões em dispositivos de alta velocidade, como impressoras ou scanners.


  • USB 2.0 - Hi-Speed ​​(480 Mbit por segundo) foi adicionado na especificação USB 2.0. Mas, nem todos os dispositivos USB 2.0 são de alta velocidade.

  • USB 3.0 - Taxas de transmissão SuperSpeed ​​de até 4800 Mbit/s (~572 MB/s) ou 5 Gbit/s.

  • USB 3.1 - Taxa de transmissão SuperSpeed+ de até 10 Gbit/s.

  • USB 3.2 - Taxa de transmissão Ultra-Speed ​​de até 20 Gbit/s e modos multilink.

  • USB 4.0 - Taxa de transmissão Ultra-mega-Speed de até 40 Gbit/s

Existem ainda algumas variações a respeito das velocidades de cada padrão USB, isso irá depender da versão e da geração de cada um.

Deixamos na tabela abaixo, as especificações com suas respectivas versões de acordo com as gerações de cada um.
    ItemGeraçãoDescriçãoVelocidade
    bits
    Velocidade
    bytes
    USB 1.0Baixa Velocidade1.5 Mbps192KB/s
    USB 2.0Alta Velocidade480Mbps60MB/s
    USB 3.0/3.1Super Velocidade5Gb/s (SuperSpeed)625MB/s
    USB 3.1Super Velocidade +10Gb/s (SuperSpeed+)1.2GB/s
    USB 3.21x1Super Velocidade5Gb/s (SuperSpeed)625MB/s
    USB 3.21x2 / 2x1Super Velocidade +10Gb/s (SuperSpeed+)1.2GB/s
    USB 3.2 2x2Super Alta Velocidade +20Gb/s (SuperSpeed+)2.4GB/s
    USB 4.0(USB-C)compatível com Thunderbolt 340Gb/s4.8GB/s

    Os padrões USB 1.0 e USB 2.0 compartilham a mesma pinagem nos seus conectores, tornando o USB 3.0 compatível com essas versões e vice-versa, já que o USB 3.0 também compartilha dos mesmos barramento do USB 2.0 de 4 Pinos.

    Os conectores USB 3.0 geralmente são diferenciados dos sues antecessores USB 2.0 pela codificação de cor azul do receptáculo do conector. 

    Já a USB 4.0, não é compatível com os demais antecessores, pois seu conector é do Tipo C e ele é compatível com o Thunderbolt 3.

    Pessoal, o trabalho é grande, escrever, montar, testar, elaborar a PCI, armazenar para baixar, tudo isso dá muito trabalho, e não cobramos nada por isso!

    Então nos ajude a divulgar nosso trabalho, compartilha nas redes sociais, Facebook, Instagram, nos grupos de WhatsAppuma simples atitude sua, faz com que cresçamos juntos e melhoremos o nosso trabalho!

    E por hoje é só, espero que tenham gostado!

    Qualquer dúvida, digita nos comentários que logos estaremos respondendo.
    Se inscreva no nosso Blog! Clique aqui - FVM Learning!
    Forte abraço.

    Deus vos Abençoe
    Shalom!

    segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

    Pinagem - Pinout - Conectores Tipo A & B - USB 1.0, USB 2.0, USB 3.0 - Especificações!

    Fig. 1 - Pinagem Pinout - Conectores Tipo A & B - USB 1.0, USB 2.0, USB 3.0 - Especificações

    O USB (Universal Serial Bus) é uma interface plug-and-play de barramento serial entre os dispositivos e o controlador host como; computador, servidor, dispositivo host, hub, etc.

    São utilizados 4 fios blindados em um único cabo: dois para alimentação (+5v e GND) e dois para sinais de dados diferenciais (identificados como D+ e D- na pinagem).

    Para detalhes como; velocidades, padrões, características, tipos e versões, você poderá está consultando o nosso Artigo detalhado sobre, clicando no link abaixo:

    • USB Velocidades - USB 1.0, USB 2.0, USB 3.0 e USB 4.0 - Quais suas Diferenças!

    Você pode se interessar também:

    Pinagens dos Conectores USB

    USB 1.0 e USB 2.0 - Tipo A

    Os conectores USB 1.0 são as primeiras versões, eles teem o mesmo involucro dos conectores USB 2.0, o que difere é somente a tecnologia embarcada no circuito. 

    Na Tabela abaixo temos a pinagem e suas respectivas descrição.

    PinoNomeDireçãoCorDescrição
    1VBUS Vermelho+5 V Alimentação
    2D -«—»VerdeUSB 2.0 Dados -
    3D +«—»AzulUSB 2.0 Dados +
    4GND PretoNegativo


    Na Figura 2 abaixo temos o diagrama do conetor USB do TIPO A, com sua respectiva Pinagem.

    Fig.2 - Conector USB tipo A - Pinagem, Pinout, USB 1.0, USB 2.0

    USB 2.0 - Tipo B

    O conector USB TIPO B compartilham o mesmo número de pinos do conector Tipo A, o que difere é o posicionamento dos pinos que é comportada pelo formato do conector TIPO B

    Na Tabela abaixo temos a pinagem e suas respectivas descrição.

    PinoNomeDireçãoCorDescrição
    1VBUS Vermelho+5 V Alimentação
    2D -«—»VerdeUSB 2.0 Dados -
    3D +«—»AzulUSB 2.0 Dados +
    4GND PretoNegativo


    Na Figura 3 abaixo temos o diagrama do conetor USB do TIPO B, com sua respectiva Pinagem.

    Fig. 3 - Conector USB tipo B - Pinagem, Pinout, USB 2.0

    USB 3.0 - Tipo A

    O USB 3.0 Tipo A, tem o encapsulamento idêntico aos  seus antecessores, no entanto internamente é diferente, pois ele mescla o barramento USB 2.0 que contém 4 Pinos, com novo barramento SuperSpeed que contém 5 Pinos, e tem taxa de transferência de até 5,0 Gbit/s. 

    Isso é aproximadamente dez vezes mais rápido que o padrão USB 2.0. Os conectores USB 3.0 se diferenciam visualmente dos conectores USB 1.0 e USB 2.0, através da cor do involucro de plástico que nas versões anteriores eram preto, e a versão USB 3.0 e azul. 

    Na Tabela abaixo temos a pinagem e suas respectivas descrição.

    PinoNomeDireçãoCorDescrição
    1VBUS Vermelho+5 V Alimentação
    2D -«—»VerdeUSB 2.0 Dados -
    3D +«—»AzulUSB 2.0 Dados +
    4GND PretoNegativo
    5StdA_SSRX-«—RoxoSuperSpeed Receiver
    6StdA_SSRX+«—LaranjaSuperSpeed Receiver
    7GND_DRAIN GroundNegativo
    8StdA_SSTX-—»Azul-EscuroSuperSpeed Transmitter
    9StdA_SSTX+—»AmareloSuperSpeed Transmitter


    Na Figura 4 abaixo temos o diagrama do conetor USB 3.0 do TIPO A, com sua respectiva Pinagem, estamos mostrando o barramento interno ao lado do conector para demonstrar os pinos que tem dentro para melhor visualização.

    Fig.4 - Conector USB 3.0 tipo A - Pinagem, Pinout USB 3.0

    USB 3.0 - Tipo B

    USB 3.0 Tipo B, tem o encapsulamento parecidos com os USB 2.0 TIPO B, no entanto ha um acréscimo de 5 pinos em um orifício na parte superior do conector, e em termos de aparência, é isso que diferencia do Conector USB 2.0 TIPO B, além da cor azul, é claro. 

    Na tabela abaixo temos a pinagem e suas respectivas descrição.

    PinoNomeDireçãoCorDescrição
    1VBUS V+Vermelho+5 V Alimentação
    2D -«—»VerdeUSB 2.0 Dados -
    3D +«—»AzulUSB 2.0 Dados +
    4GND GNDPretoNegativo
    5StdB_SSTX-—»RoxoSuperSpeed Transmitter
    6StdB_SSTX+—»LaranjaSuperSpeed Transmitter
    7GND_DRAIN GNDGroundNegativo
    8StdB_SSRX-«—Azul-EscuroSuperSpeed Receiver
    9StdB_SSRX+«—AmareloSuperSpeed Receiver


    Na Figura 4 abaixo temos o diagrama do conetor USB 3.0 do TIPO B, com sua respectiva Pinagem.

    Fig.5 - Conector USB 3.0 tipo B - Pinagem, Pinout USB 3.0

    Ha também um versão com uma pequena diferença entre os conectores USB 3.0 Tipo B, são os conhecidos como Powered-B

    Ele possui dois pinos adicionais de fornecimento de energia "Pinos 10 e 11", para aumentar a corrente de trabalho do conector, e em caso de equipamentos com uma corrente maior, não necessitar de um adaptador USB ou uma fonte de alimentação externa.

    E por hoje é só, espero que tenham gostado!!!

    Qualquer dúvida, digita nos comentários que logos estaremos respondendo.

    Se inscreva no nosso Blog!!! Click aqui - FVM Learning!!!
    Forte abraço.

    Deus vos Abençoe
    Shalom